A competência de conseguir mudar para melhorar

Quando você está no caminho para realizar algum sonho ou conquistar um objetivo e se sente estagnado, não conseguindo bons resultados, existe uma competência capaz de te fazer mudar o rumo das coisas, a flexibilidade. É ela que nos leva a buscar novos caminhos e a encontrar melhores saídas para facilitar a conquista das nossas metas. Uma habilidade para perceber que o que você está fazendo não funciona e a partir disso, executar alterações adequadas para adaptar-se às novas situações.

Adotar comportamentos flexíveis nos dá a oportunidade de perceber qualquer situação por diversos ângulos e assim, optar pela melhor escolha para o momento. Ao contrário disso, um comportamento rígido prejudica os nossos relacionamentos, comportamentos e as nossas ações.

A flexibilidade abre novas perspectivas e nos auxilia na eliminação de comportamentos improdutivos. Ela nos possibilita ampliar o nosso mapa de mundo, experimentar mudar um pouco a nossa percepção para trabalharmos uma forma mais maleável de enfrentarmos os desafios. Romper padrões antigos, inovar, aceitar outros pontos de vista, buscar novas alternativas para uma mesma situação são algumas das inúmeras possibilidades de melhorias que temos ao sermos mais adaptáveis.

Pessoas inflexíveis nem sempre conseguem se dar conta de suas falhas, isso faz com que elas projetem no outro as suas próprias deficiências. Quanto mais endurecidos e inflexíveis somos, maiores serão as chances de “quebrarmos” com os impactos sofridos ao longo da vida. Isso acaba prejudicando as relações e a comunicação com o outro.

Conhecer outros pontos de vista é ampliar os seus horizontes. A flexibilidade exalta o nosso lado criativo, frequentemente apagado pelo excesso de censura da inflexibilidade. Até mesmo em desventuras, através do exercício da flexibilidade, é possível utilizar esses acontecimentos para expandir o horizonte e quem sabe, se surpreender com o que o novo traz de bom.

O comportamento flexível nos permite escolher uma estratégia diferente, ajuda a reunir a informação do ambiente e responder de forma mais eficiente, ajustando a sua conduta. Por meio da flexibilidade é possível capturar várias dimensões da realidade e observar por diferentes pontos de vista.

Erros todos nós cometemos. Desistir por causa deles é um caminho, o outro é repetir aquela ação. E, se perceber que aquela estratégia não funciona, é importante ter a flexibilidade para modificar o caminho para chegar no seu objetivo, exercendo sempre essa competência importante.

Falar sobre saúde mental é salvar vidas

Muito se ouve falar em cuidar da saúde. Fazer exames periodicamente, se alimentar bem, exercitar o corpo, ter um boa noite de sono, levar uma vida mais leve. Podemos compreender o significado de saúde como um estado de normalidade de funcionamento do organismo humano. Há algum tempo esse termo significava somente a ausência de doenças, atualmente, o termo é representado também pelo bem-estar físico, mental e social, de acordo com a Opas (Organização Pan Americana da Saúde).

Sendo assim, todos esses cuidados citados acima, vão muito além de ter um corpo saudável. Como diz um pressuposto da PNL (Programação Neurolinguística), corpo e mente formam um só sistema e ambos se influenciam. Isso diz muito sobre o nosso funcionamento, sobre respostas externas que nossos sentimentos e estados internos provocam.

Para a PNL, tudo se inicia com um pensamento e o que não resolvemos em nossa mente, o corpo transforma em doença. Portanto, cuidar da saúde emocional exige a mesma prudência e atenção que dedicamos à saúde física. Já percebeu que a todo momento o corpo nos envia sinais de alerta? Ao interpretá-los, é possível alcançar uma vida equilibrada.

Em setembro, uma campanha muito importante é altamente difundida nas redes sociais e mídias do Brasil, e fala justamente sobre a saúde mental e emocional das pessoas. O Setembro Amarelo é voltado para a conscientização e prevenção do suicídio. A ideia é promover eventos que abram espaço para debates sobre o tema e o divulguem, com o intuito de alertar a população sobre a importância de sua discussão.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) alerta que a cada quatro pessoas, uma sofrerá com algum transtorno da mente ao longo da vida. O número de pessoas com depressão aumentou 18,4%, nos últimos dez anos. Esse índice no Brasil é ainda mais preocupante, sendo o nosso país a maior taxa na América Latina, onde 5,8% da população sofre de depressão. Em um contexto social, esses números comprovam a importância de falarmos sobre saúde mental. Precisamos desmistificar os conceitos errôneos que muitas pessoas dão para quem enfrenta problemas relacionados à saúde mental.

Nesse sentido, familiares, amigos e instituições possuem o papel fundamental de ajudar e encaminhar uma pessoa que busca auxílio para o tratamento mais adequado. Procurar dar mais atenção a quem precisa e reservar algum momento para conversar com as pessoas pode ser o primeiro passo. Afinal, a frase de impacto da campanha Setembro Amarelo é: falar é a melhor solução!

A conscientização é o ponto primordial ao alcance do sucesso na recuperação e na minimização dos riscos que esses problemas causam na população.

Como ter pensamento positivo?

A partir do momento que você pensa positivo, suas atitudes mudam, você se sente mais motivado e com mais força de vontade para alcançar seus sonhos e metas e, principalmente conseguir enfrentar um momento ruim.

Dar foco às mazelas da vida só irá te apoiar a permanecer no mesmo estado e com resultados cada vez piores. Por isso, é muito importante a ressignificação de seu pensamento para algo positivo, que te permita um estado de confiança e entusiasmo, possibilitando resultados cada vez melhores.

É possível ressignificar um pensamento dando atenção ao seu ponto de vista, através da reestruturação da situação ou do significado que dá a ela. Assim, uma situação ruim pode se tornar favorável se aproveitada em um contexto diferente.

Para que isso aconteça, é necessário reconhecer que o pensamento negativo não nos impulsiona para o que tanto desejamos. Ele não nos condiciona um bom estado físico e mental, além de não mudar uma situação de incômodo e insatisfação. Dessa forma permanecemos no mesmo estado, e nada de interessante acontece na zona de conforto.

Nossos pensamentos motivam nossas ações, portanto, devemos estar atentos e cultivar sempre, diariamente, bons pensamentos.

Enxergar os fatos e situações com um novo olhar pode trazer traduções proveitosas. Agir de forma diferente em uma adversidade, transformar os pensamentos e sentimentos, tomando o rumo do otimismo. As pessoas que pensam de forma positiva sabem que por mais que existam os momentos desafiadores, eles servem para trazer grandes aprendizados e experiências, para que com isso tenhamos uma postura diferente caso passemos por outra dificuldade no futuro.

Ter a prática de pensamentos e hábitos positivos é algo que têm muita influência sobre nós, porque ajuda no desenvolvimento pessoal, principalmente na autoconfiança.

Um ponto muito importante a ser abordado é sobre pressuposição da Programação Neurolinguística que diz: “mente e corpo formam um só sistema”. Isso significa que se influenciam mutuamente. Tudo que pensamos tem reflexo no nosso corpo, seja na nossa tensão muscular, na respiração e sensações. Todos esses fatores afetam diretamente os nossos pensamentos e comportamentos.

O pensamento é o principal condutor do nosso comportamento, pois reagimos conforme a nossa representação interna. Somente o fato de pensar positivo não te garante o sucesso no que se deseja, porém, essa ressignificação é o caminho para que tudo se torne mais próximo. Sobretudo, é um recurso primordial para a saúde, alegria e bem estar..

Autoconhecimento para a compreensão de si mesmo

Você tem tido tempo para ouvir a sua voz interior? O autoconhecimento é a peça chave para nossa evolução enquanto ser humano, nossas entregas com excelência e nosso equilíbrio emocional. Possui o significado de conhecimento de um indivíduo sobre si mesmo, destina-se à compreensão interior, nossa personalidade, características, sentimentos e predisposições.

Estimular o diálogo interno é um meio eficaz para o autoconhecimento. Pensando em um contexto global, o desejo de se conhecer profundamente, crescer e evoluir tem sido cada vez mais latente. Isso se deve ao fato de que viver para satisfazer as nossas necessidades básicas, já não nos completa por inteiro. Na prática, se conhecer melhor faz com que o indivíduo tenha controle emocional. Isso pode evitar sentimentos indesejados como baixa autoestima, frustração e instabilidade emocional. Uma pessoa que possui alto conhecimento sabe lidar melhor com suas próprias questões.

Desta forma é possível identificarmos nossas inclinações, habilidades e deficiências e a partir daí desenvolver comportamentos e estratégias que entregue nossa melhor performance. Isso requer um olhar profundo, consciente e atento à maneira como pensamos e consequentemente agimos.

Ao exercitarmos a nossa mente, pouco a pouco as coisas vão se tornando mais claras. Os padrões de comportamentos são facilmente identificados e modificados para representações positivas, proporcionando mais equilíbrio às nossas relações.

Conhecer a si mesmo é ter o controle da própria vida, é dar a ela sentido. É identificar sonhos, definir objetivos, traçar metas, reconhecer as fraquezas e vulnerabilidades e se energizar com as descobertas das forças e habilidades. Conhecer a si mesmo é ato de amor, compaixão e generosidade do que somos para o que de melhor podemos ser!

Estamos em um momento muito delicado, cheio de mudanças e incertezas que pairam sobre nossa mente. O processo de autoconhecimento é o melhor recurso para nesta ocasião, reagirmos criativamente e de maneira positiva. Busque se conhecer melhor, dedique um tempo do seu dia para promover a reflexão. Procure entender os motivos que te fazem reagir de determinadas formas diante de determinadas situações.

Somente entendendo mais sobre o próprio funcionamento é que conseguimos mudar velhos padrões de comportamentos e alcançar a harmonia e o equilíbrio. Permita-se conhecer e cuidar de sua intimidade, você merece o melhor da sua essência. Dedique tempo e atenção ao seu processo de autoconhecimento, reflita sobre suas ações e questione se tais comportamentos te aproximam ou lhe distanciam de suas metas e objetivos.

Avalie a construção de suas relações, pese o quão são benéficas, sobretudo se coloque flexível para novos padrões de comportamento. Com esforço, inteligência e respeito pelo ser que você é, é possível traçar jornada com foco na evolução da condição humana.

Ressignificação de crenças para a conquista de objetivos

Crenças são generalizações construídas com base na nossa vivência em família e em sociedade. Elas são um dos níveis neurológicos estudados pela PNL (Programação Neurolinguística). Para a PNL, as crenças são os nossos princípios orientadores que nos fazem evoluir, avançar, querer chegar a algum lugar para atingirmos determinado propósito. Em contrapartida, elas também podem nos fazer parar, hesitar, desistir. Isso, porque são consideradas pressuposições e não uma verdade imutável, por isso podemos transformá-las, substituí-las e ressignificá-las.

Existem situações que você percebe que já tentou de tudo, e o resultado desejado não acontece? Muitas vezes, o que pode te impede de avançar em busca dos seus objetivos são os entraves emocionais. Acredite, eles são capazes de limitar seu desenvolvimento.

Você sabe onde quer chegar, se preparou tecnicamente, desenvolveu as habilidades necessárias, no entanto, as conquistas se tornam árduas, distantes e até mesmo difíceis de serem alcançadas. O que pode estar por trás desse impedimento?

O distanciamento dos nossos objetivos é comandado pelas crenças limitantes. Elas são situações vivenciadas em diferentes fases da vida que geram registros mentais que podem se tornar limitações, dificultando o nosso desenvolvimento.

Dê atenção aos seus pensamentos. Que sentimentos você está alimentando? Aqueles que os outros querem que você tenha, ou aqueles que permitem que você tenha uma vida mais congruente com seus valores?

Você acredita que pode transformar seu maior sonho em realidade? Se a sua crença for positiva, você fará com que esse sonho se torne realidade, da mesma forma que crenças limitantes podem te deixar distantes daquilo que tanto deseja.

A ressignificação nos ajuda olhar para esses momentos e encontrar saídas, mesmo para aquelas situações que tudo parece perdido e que nada parece nos consolar. É um processo que nos faz refletir, buscando o lado bom das situações, quando a impressão é que só existem coisas ruins para extrair.

Ressignificar é compreender uma experiência de forma diferente, dando a ela um novo significado. Você tem o poder de escolher o que um evento significa para você.

Quando nos permitimos viver novas experiências, abrimos um universo repleto de possibilidades que geram novas perspectivas, crenças e desafios. Seja receptivo à oportunidade de fazer algo novo, e busque a coragem e a motivação que existem dentro de você. Não deixe que as limitações te impeçam de conquistar o que você busca. Lembre-se, tropeçar faz parte do aprendizado e recomeçar também.

Uma viagem para dentro de nós mesmos

Recente estudo publicado na revista Science, por pesquisadores da universidade de Harvard (EUA), aponta que em 46,9% do tempo não estamos prestando atenção no que fazemos, ou seja, não estamos 100% presentes, focados. Acredite, esse é um dos principais motivos de tantas angústias nos dias de hoje. A falta de atenção nos rouba importantes momentos de vida e nos torna incapazes de tomar decisões assertivas. Podemos concluir que somos mais felizes quando nossas ações estão alinhadas aos nossos pensamentos.

Certamente, você já passou por situações semelhantes a estas: diante de uma demanda importante de trabalho ou estudo, até mesmo nos momentos de lazer, interrompeu uma tarefa para dar aquela espiada nas redes sociais ou responder a uma mensagem no WhatsApp. Mesmo quando a distração não vem da internet, se perde em qualquer outro estímulo exterior. Tudo serve de motivo para se distrair do que é verdadeiramente importante e real. Acredite, o desvio da atenção, do foco, está entre os motivos que mais atrapalham nossas metas, o cumprimento de nossas tarefas e, consequentemente, na conquista dos nossos objetivos.

Vivemos constantemente divididos entre a obrigação e a distração, o real e o virtual. Soma-se a isso, o fato do nosso inconsciente ter uma certa predisposição para poupar energia o que nos induz, muitas vezes, a postergar tarefas que exigem esforço e concentração. As consequências dessa batalha estão no aumento de sentimentos negativos, como frustração por estar sempre empurrando tudo com a barriga, preocupação constante e perturbadora, ansiedade, além, claro, da famigerada culpa.

Como você pode notar, focar a atenção em uma tarefa passou a ser um desafio que está se tornando cada vez mais árduo e custoso. Vivemos a Era da Informação, que podemos chamar também de Era do Acesso ou Era da Conexão. Estamos cada dia mais conectados virtualmente e menos conectados com as nossas prioridades concretas, com as experiências reais, com as demandas da vida, com as pessoas de carne osso e com a nossa própria essência. Esquecemos de estar aqui e agora, e essa falta de estado de presença tem afetado muito a nossa produtividade, nosso autocontrole e felicidade. Viver bem é essencial!

Sair desse ciclo vicioso e automático é uma das propostas de uma prática que tem ganhado cada vez mais adeptos. Conhecido como Mindfulness, o método de meditação propõe a retomada da consciência, da atenção plena. Com alguns minutos de treino, a técnica acalma a mente, alivia o estresse e a ansiedade, desenvolve a Inteligência Emocional e devolve a capacidade de concentração e foco.

Nesses dias em que os estímulos externos nos tiram a paz, vale a pena investir na viagem contrária, para dentro de nós, e, por meio do autoconhecimento, descobrir e desenvolver nossas habilidades e potencialidades..

Olhe para dentro de si e conecte-se à sua essência

Ao praticar o exercício de reflexão, dedicamos um precioso tempo para analisar de forma detalhada sobre um determinado assunto, sobre nós mesmos, sobre algum problema ou sentimento. Pois bem! Você tem tido tempo para olhar para dentro? A correria do dia a dia é justamente um dos motivos que mais nos distancia da nossa essência. Já parou para pensar nisso? Quando você age no modo automático, apenas seguindo o fluxo e reagindo aos acontecimentos, você deixa de prestar atenção nos detalhes e pior, de vivê-los.

Ao passar por cima da sua vontade e apenas cumprir as tarefas sem questionamentos, você se anula. Em pouco tempo, alimentará sentimentos negativos de frustração e tristeza.

Mude essa chave. Pare. Pense. Reflita. Promova momentos para pensar nas suas ações, confirmar os seus objetivos, traçar estratégias. Perceba como tudo passa a acontecer de maneira mais fluída e organizada. Aliás, ao promover essa conexão com o seu universo interior, você abre a possibilidade de resgatar um importante vínculo com a sua verdadeira essência.

É importante ressaltar que todos nós possuímos uma essência, que é quem verdadeiramente somos, no entanto, com o passar dos anos, vamos desenvolvendo camadas de proteção – nossa personalidade –, com a intenção de nos resguardar, evitar sofrimentos e sermos aceitos.

De tanto olhar apenas para fora e valorizar essa personalidade construída, muitas pessoas acabam se esquecendo de quem são em suas essências. Perdem o acesso ao que temos de mais puro, íntimo, espontâneo e bonito: a nossa criança interior.

Tente se lembrar de como você era na infância. Certamente, vai citar características positivas como mais alegre, descontraído, sociável e comunicativo. Acredite, ali estava a sua verdadeira essência. Ao longo do tempo, somos submetidos a diferentes experiências que acabam nos distanciando da nossa autêntica natureza. Conscientemente, não nos damos conta desse distanciamento. A boa notícia é que podemos trazer de volta as melhores características da essência e ainda ter a chance de aprimorá-las. Esse resgate é possível com o Eneagrama, uma ferramenta do autoconhecimento capaz de ajudar as pessoas a lidarem melhor consigo mesmas e com os outros.

Este poderoso instrumento de estudos de tipos psicológicos e personalidade, descreve as diferenças individuais e defende a existência de nove padrões de pensamento, sentimento e ação, definidos e diversos entre si.

Ao compreender a própria personalidade e as personalidades diferentes da sua, você pode traçar um caminho de desenvolvimento em liderança, nos relacionamentos, autoestima, motivação e saúde física, mental e psicológica. Além, claro, de te ajudar a se conhecer melhor e, assim, abrir a possibilidade de trabalhar aspectos que limitam sua vida e a de outras pessoas..

Descubra o que motiva a sua ação e mexa-se!

Muitas pessoas podem se questionar: por qual motivo eu devo sair da zona de conforto se está tão tranquilo e seguro? Eu explico o porquê. O ser humano foi feito para progredir. A evolução está no nosso DNA. Isso explica por que nos sentimos tão bem quando nos desenvolvemos.

Pode notar, em um determinado momento, ao perceber a estagnação, irão surgir sentimentos de insatisfação, descontentamento e incompletude. Afinal, fomos feitos para mudar. Portanto, para melhorar os seus resultados e se sentir bem consigo mesmo é fundamental deixar a zona de conforto e dar um passo adiante. Já dizia Albert Einstein: “se você fizer sempre as mesmas coisas, vai alcançar sempre os mesmos resultados.”

Por isso, os momentos de crise trazem consigo um lado positivo. Com eles, se abrem excelentes oportunidades de mudar a forma com que você faz as coisas. Buscar novos caminhos, se aprimorar, diversificar, enfim, colocar em prática novas estratégias para elevar o seu conhecimento e evoluir.

Quem se fecha na zona do conforto corre o risco de perder grandes oportunidades e de se frustrar lá na frente, quando perceber que estagnou. Se você está infeliz com a sua condição, seja ela qual for, a hora de mudar é agora! Já! Um mundo de possibilidades te espera fora da zona de conforto!

E tenha sempre em mente que tão importante quanto saber onde se deseja chegar e traçar as estratégias para atingir o objetivo é abandonar o campo da ideia e colocar tudo em prática. Pode parecer óbvio, mas sair da zona de conforto pode causar alguns “efeitos colaterais”. É a mente criando objeções e pregando peças para evitar o confronto interno e a insegurança do mundo “novo”. Esteja preparado para enfrentar essa resistência inicial.

Como mente e corpo formam um só sistema e ambos se influenciam, podem surgir alguns incômodos como dor de cabeça e de estômago. A mente também se encarrega de criar desculpas e induzir à procrastinação: “segunda-feira, sem falta, começo a dieta”. É típico!

O importante é ter atitude, dar o primeiro passo. O que você precisa para alcançar o seu objetivo? Você já possui os recursos disponíveis ou vai precisar de recursos adicionais? Quais são as alternativas? Há mais maneiras para atingir o objetivo? Qual é a foça maior que motiva a minha ação?

Detalhar o passo a passo para conquista do objetivo e começar são as tônicas da conquista. Seja confiante e siga em frente! Aceite o desafio! Encare os medos e a insegurança. Esteja atento às mudanças e invista no seu desenvolvimento.

Grandes resultados irão acontecer, acredite!.

O papel da instituição para a tomada de decisões

Qual é a importância que você dá à sua intuição? Quando suas conexões inconscientes influenciam na sua tomada de decisão e nas suas escolhas, acredite, você está sendo guiado por ela. A intuição é uma ponte que liga o seu inconsciente à mente consciente. Indica uma conexão, uma forma de comunicação entre eles. A intuição está muito ligada ao sentir e é capaz de trazer à tona conhecimentos ricos e poderosos que estão dentro de nós, muitas vezes, adormecidos.

Existe uma pressuposição da Programação Neurolinguística que diz que nós já temos todos os recursos que necessitamos dentro de nós (ou então podemos criá-los a qualquer momento). Ou seja, você já possui a solução para a superação dos problemas e das adversidades que se apresentam na sua vida.

O renomado psiquiatra suíço Carl Jung já dizia que “cada um de nós tem a sabedoria e o conhecimento que necessita em seu próprio interior.” Logo, se a definição de intuição é “ver por dentro”, então faz sentido dizer que quando esta conexão está ativada o conhecimento das coisas nos surge com força e clareza incomuns. Há ainda uma outra frase muito interessante atribuída a Steve Jobs que reforça essa ideia: “tenha coragem de seguir o que o seu coração e o sua intuição dizem. Eles já sabem o que você realmente deseja. Todo o resto é secundário.”

Portanto, à medida em que você se aprofunda no autoconhecimento aprende a desvendar e a confiar na sua própria intuição. E nada mais valorizado nos dias de hoje do que a capacidade de fazer escolhas rápidas, assertivas e essa percepção sensitiva ajuda muito neste processo. Todo o bom líder, inclusive, se destaca, entre outras qualidades, pela capacidade de tomar decisões criativas. Apresentar novas e inovadoras soluções para os desafios impostos. Neste caso, a intuição surge na forma de ideias.

Estimular a intuição significa dar importância ao sentir e, mais do que isso, dar valor ao seu próprio repertório de vida. Afinal, a experiência que adquirimos ao longo da vida enriquece nossos recursos no caminho de soluções. Como você pode perceber, a intuição também fortalece o nosso lado mais criativo. Se você deseja se diferenciar, seja lá qual for a sua área de atuação, busque ser inovador. Dê asas ao seu lado criativo. Com um pouco de persistência e alguma disciplina, você vai obter resultados incríveis.

Comece ampliando seu mapa de mundo. Esteja aberto para conhecer coisas novas e pessoas novas também. Aumente a sua rede de relacionamentos e a sua percepção sobre o que acontece à sua volta. Se aventure em um novo ambiente, pode ser uma atividade física, algo artesanal, jogos de raciocínio, entre outros.

E lembre-se: para experimentar esse estado repleto de recursos é importante estar disposto a investir tempo naquilo que é mais relevante na sua vida: VOCÊ!.

Um olhar para quem está ao seu lado

Quantas vezes, ao observar o outro, você julgou antes de compreender? Não se permitiu escutar, analisar, racionalizar e construir um pensamento objetivo?

Quantas vezes, ao observar o outro, seu julgamento ficou comprometido por se deixar levar pelos preconceitos? Não se permitiu conhecer o outro de verdade, compreender as suas razões, experimentar os seus pensamentos e, então, entender os seus verdadeiros motivos?

Quantas incontáveis vezes ao observar o outro, de forma inconsciente, você percebeu os seus próprios defeitos e imperfeições? E, ao invés de reconhecer isso e melhorar, criticou, desdenhou, julgou e repreendeu os erros que você mesmo comete todos os dias?

Se isso acontece com você, está na hora de se encarar de frente e fazer diferente. Quando você aprende a acolher as diferenças, dá um passo importante no caminho da evolução.

Tem uma frase atribuída a Madre Teresa de Calcutá que diz: “quem julga as pessoas não tem tempo para amá-las”. E o que mais precisamos nos dias de hoje é justamente de amor.

Você pode perguntar: qual o problema em expressar minhas opiniões? Nenhum, a partir do momento em que o outro seja respeitado e amado como ele é.

Na dúvida, experimente se colocar no lugar das pessoas e perceba o que acontece. Lembre-se que ao deixar de praticar a empatia, você emperra o seu processo de desenvolvimento e perde a oportunidade de se tornar uma pessoa melhor.

Com o tempo, esse padrão de comportamento acaba por gerar angústias e insatisfações. Passa a limitar as novas experiências e descobertas.

Dessa forma, você começa a atrair exatamente o que espalha: intolerância, críticas e cobranças.

Desafie-se! As mudanças para um mundo melhor começam com pequenas atitudes. Busque dentro de si a compreensão, evite julgamentos e lembre-se: como você deseja que as pessoas olhem para a sua história, seus erros e escolhas?

Se você deseja se sentir acolhido e compreendido com empatia, então, por que não retribuir e olhar para o outro também dessa forma?.